, ,

5 PASSOS ESSENCIAIS PARA A RECUPERAÇÃO PÓS-PARTO

Já há muito tempo que me pediam esta publicação, e hoje com algum tempo, consegui dedicar-me a ela! Pois bem, se me seguem, sabem que fui mãe há quase 7 meses. Apesar de ainda não estar na minha forma habitual, como estava antes de engravidar, já consegui perder o peso ganho durante a gravidez e já recomecei também o exercício físico. Primeiro que tudo acho importante percebermos que a recuperação não é de um dia para o outro, e que temos de ter calma! Depois de 9 meses de gravidez, é normal que o corpo não volte logo ao ´sítio´… Mas mesmo assim, penso que também é importante termos algumas coisas bem definidas.

  • ACEITAR: Antes de mais, e como primeiro passo, acho que é fundamental percebermos que o nosso corpo está diferente. Que passámos por uma gravidez de 9 meses e que o corpo não volta ao sítio de um dia para o outro. Por isso mesmo, não stressar e ter calma… isto não significa que não devamos ter alguns cuidados para conseguirmos que isso seja possível, claro.
  • ALIMENTAÇÃO: É importante que tenhamos cuidado com a nossa alimentação, mas isto seja para a recuperação pós-parto, como noutra fase qualquer da nossa vida.  No entanto, na minha opinião, é importante não entrar em dietas malucas, principalmente se amamentar. Aliás, dietas malucas para mim, não faz sentido, NUNCA! Temos sim, que ter uma alimentação saudável e equilibrada. Às vezes não é fácil não… no pós-parto, principalmente em dias difíceis e cansativos, pode ser comum apetecer certo tipo de alimentos… mas a minha sugestão é tentarem ter alimentos e refeições que vos saibam bem em casa! Deixo algumas publicações sobre isso que vos podem interessar:
    – Dicas para a organização no pós-parto

    – Como resistir a doces durante o dia 
    – Truques para não passar o dia cheio de fome
  • EXERCÍCIO: Se me seguem, sabem que sou fã de exercício! No entanto, no pós-parto é importante que tal seja bastante controlado ! Ou seja, é essencial que percebam se têm ´autorização´ ou não para o fazer. Eu fiz a avaliação do pavimento pélvico no centro pré e pós-parto com a Fisioterapeuta Inês Valente e gostei imenso dela! Mesmo assim, e quando não há autorização, podemos sempre perguntar se podemos fazer caminhadas! Agora… sei que o tempo é pouco e que é difícil gerir… por isso mesmo vejam o que é possível fazer!
  • FACILITAR: Se calhar facilito de mais, mas sou mesmo assim. É mesmo, descomplicar. E dou-vos dois exemplos:
    – Normalmente para fazer arroz, coloco cebola cortada, alho picado e azeite… ou seja, a receita típica de arroz. Esta semana, fiz arroz assim que acordei (às 7h00), para ficar para o almoço, porque depois ia sair. E como o pequenino estava a acordar e não havia muito tempo, pus água a ferver, sal e o arroz lá para dentro… mais nada! E porquê?! Porque senão tivesse sido assim, não ia ter arroz ao almoço e ia ficar a pensar nisso a manhã toda.
    – Os legumes que referi que cozi em cima, supostamente ia saltear. Mas como não tive tempo durante o dia e já não tínhamos legumes para o jantar, meti água a ferver, sal e os legumes. Ou seja, saíram cozidos. Mais uma vez, salteados são bem mais saborosos, mas é o que é… prefiro ter legumes do que não os ter.
  • PEDIR AJUDA: Estou a adorar a maternidade, mas sou sincera… nunca quis de deixar de fazer o que tanto gosto. Com isto digo, ter uma alimentação saudável, fazer receitas, tirar fotos, escrever para vocês, treinar… Outras coisas, passam-me ao lado sinceramente. Se antes íamos jantar fora, hoje quase não vamos, porque não levamos o Vasco à noite para lado nenhum. Queremos que ele se deite cedo e que faça uma boa noite de sono. Quando falo em pedir ajuda, é ao vosso namorado/marido/pais/babysiter… de forma a conseguirem fazer alguma coisa. Claro que contratar uma babysiter é um investimento, mas pode ser um investimento que não sai caro, comparado com não estarem bem… ou seja, se conseguirem ter ajuda nem que seja 2h por semana (contanto que ao fim-de-semana o pai pode ajudar mais), já podem ter algum tempo para vocês. Isto claro, é a minha opinião. E este ponto acho super importante para a recuperação, porque se estiverem bem, tudo se torna mais fácil!

Que mais temas gostavam que falasse sobre este tópico?! Deixem em comentário 🙂

Põe-te na linha! Alimenta a tua saúde! #poetenalinha

 

1 responder
  1. Sandra Lourenço Amaro says:

    Como explicar aos avós que ha certas coisas que simplesmente já não fazem sentido, como por exemplo, ter coisas doces em casa só porque sim. “É só de vez quando!”, o problema/chatice é que esse de vez em quando é todos os dias 😞.

    Responder

Deixe uma resposta

Deixe o seu comentário ou partilhe as suas ideias ou experiências.
Obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *